Share |

Sobre: Portalegre

Setembro 11, 2015

Manifesto Eleitoral

Este é o Manifesto Eleitoral dos candidatos a deputados do Bloco de Esquerda do Distrito de Portalegre. É diferente de outros manifestos apesar do País ser o mesmo e os problemas muito semelhantes a outras regiões. O País é o mesmo mas as políticas para o interior transformam-no em duas realidades muito distintas.

A representatividade e a capacidade da região para ser ouvida está limitada a dois deputados que são eleitos com mais de 20 mil votos. O distrito tem sido castigado pela ausência de uma verdadeira regionalização que permita ao interior ter uma presença na política nacional que integre outros factores que não e apenas o número de habitantes e o dinheiro que movimenta. Outros valores como o ambiente, a natureza, a economia local, o património ou a proximidade, têm estado ausentes (desvalorizados) em favor de formas de vida que nada têm a ver com a realidade de um mundo rural.

Outubro 17, 2014

Caros ouvintes, este distrito está num processo de implosão. Depois do fecho de escolas públicas por decisão política, também agora, a Escola de Artes do Norte Alentejano com 28 anos de existência, está em risco de insolvência por falta de soluções para pagar dívidas e salários em atraso. Para um ensino que se queria articulado, falha precisamente na falta de articulação entre estas escolas e o Ministério da Educação. O principal problema está no modelo de financiamento e foi o governo que decidiu colocar estas escolas a depender dos fundos europeus. Nos últimos 3 anos com a alteração no modelo de financiamento, esta Escola tem perdido entre 125 e 150 mil euros por ano. Ora, se existem dívidas e estas Escolas dependem do POPH, um Fundo Social Europeu, temos aqui uma “pescadinha de rabo na boca” que limita uma solução e ajuda a promover as escolas privadas. O Estado desinvestiu nestas escolas e é importante sabermos através do Ministério qual a situação financeira do ensino articulado da música, ou seja, em que condições está a ser garantida a gratuitidade deste tipo de ensino para os alunos que frequentam a rede pública de ensino.

Maio 9, 2014

A cabeça de lista do Bloco de Esquerda (BE) às eleições europeias, Marisa Matias, criticou a ausência de investimentos no interior do país, ao comentar o Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas (PETI), apresentado pelo governo, para o período 2014-2020.

A bloquista, que falava em Portalegre, diz que o PETI "é um plano de um país que não tem interior, e mais grave do que isso, é muito centralista".

Maio 7, 2014

Com Catarina Martins, Marisa Matias, Helena Figueiredo, António Ricardo e Jaime Abreu. Ver cartaz.  Ponte Sor, zona ribeirinha - junto às piscinas, 21h.

Março 27, 2014

A Comissão Coordenadora Distrital de Portalegre do Bloco de Esquerda considera que o actual estado em que se encontra o distrito é o mais grave dos últimos 40 anos.

A grave situação económica e social colocaram o distrito de Portalegre como um dos principais exportadores de mão de obra para o estrangeiro devido ao elevado número de desempregados, 12.300, e da ausência de políticas que dinamizem a economia local e regional.

As centenas de famílias que vivem apoiadas pelas diversas instituições sociais no distrito, não conseguem ver o fim do enorme pesadelo que lhes caiu em cima.

Julho 1, 2020

 Pergunta com pedido de resposta escrita

à Comissão

Artigo 138.º do Regimento

 Marisa Matias (GUE/NGL),  José Gusmão (GUE/NGL)

 

Assunto: Central nuclear de Almaraz - Falhas graves e recorrentes de segurança

A central nuclear de Almaraz continua a ser protagonista de diversas notícias e relatórios que

denunciam falhas graves de segurança, constituindo uma ameaça ambiental e de saúde pública para

o Estado Espanhol e para Portugal.

Apesar de todos os alertas e dos vários acidentes e incidentes que se têm verificado, mais dois

registados só na última semana, as três eléctricas espanholas que exploram Almaraz têm prorrogado

o seu funcionamento, agora previsto até 2028. Esta prorrogação reforça a possibilidade de

ocorrência de um acidente com repercussões preocupantes ou irreversíveis.

Interpelámos a Comissão Europeia que, em 2016, indicou não estar ainda decorrido o prazo de

transposição da Directiva 2009/71/Euroatom, actualizada em 2014.

Estando já terminado esse prazo desde 2017, de que forma justifica a Comissão o não cumprimento

dos padrões aí estabelecidos?

Que medidas tem tomado, e continuará a tomar, a Comissão para assegurar que o Estado Espanhol

cumpre as disposições comunitárias aplicáveis?

No caso de concluir pelo incumprimento, irá a Comissão pressionar o Estado Espanhol a encerrar a

central nuclear de Almaraz?

ler mais...

 

 

 

Junho 1, 2020

 

A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda de Portalegre, reunida a 30/05/2020, analisou a situação do desemprego, empobrecimento e exclusão social no distrito.

1 - A crise de saúde pública, provocada pela pandemia de covid19 veio agravar a situação, já de si bastante difícil para a maioria da população do distrito. População envelhecida e com fracos recursos, tendo muito dificuldade para pagar as contas mensais.
Precaridade no emprego, os grandes empregadores do distrito usam e abusam dos contratados a prazo.
Prática de baixos salários, sendo ainda mais baixos para os trabalhadores precários. A falta de emprego cíclica, resultando na saída para os distritos do litoral e para o estrangeiro, principalmente de jovens, procurando aí as oportunidades que aqui lhe são negadas.
Microempresas vivendo de tesouraria do dia a dia, que soçobra à mais pequena perturbação.

 

Abril 6, 2020

            COMUNICADO DE IMPRENSA

 

Portalegre, 06 de Abril de 2020

 

Responder ao surto epidérmico do Covid-19 e à crise económica e social que o país e em particular no Distrito de Portalegre as pessoas começam a sentir.

 A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda de Portalegre manifesta toda a solidariedade a todas e todos os profissionais de saúde, das IPSS, educação, Bombeiros, forças de segurança, trabalhadores/as da cadeia de comércio de bens alimentares como supermercados, hipermercados, mercearias, motoristas, restauração (Take away), bancários e  funcionários dos CTT que têm vindo a desempenhar as suas funções profissionais num elevado sentido público e que tem ajudado as pessoas a minorar os efeitos da contingência devido ao Covid-19.

As violações aos direitos dos trabalhadores com base no momento difícil que o país vive e a coberto de legislação do governo aonde não acautelou a proibição dos despedimentos nem tão pouco os abusos a coberto do Lay off,  existindo já muitos casos que foram objeto da perca do emprego, corte de salário e sem possibilidade fazer face aos encargos com a renda da casa ou a amortização ao banco, pagar a água, luz e o gás e a impossibilidade de comprar os alimentos necessários à sua família e em particular para os seus filhos. Por outro lado urge acautelar os pequenos empresários, que tendo nas suas empresas muitas delas familiares, a única fonte de rendimento, não gozam de qualquer tipo de proteção social, numa altura tão sensível, como a que vivemos.

Saudamos as decisões de Municípios que um pouco por todo o país e também no nosso Distrito, têm vindo a suspender pagamentos da água, rendas de parques habitacionais e de comércio e serviços municipais como forma de minorar as grandes carências das famílias que usufruem destes espaços. Sendo também necessário suspender o pagamento do IMI pelo período mínimo de seis meses. A todos os Municípios do Distrito que ainda não tomaram estas medidas, desafiamos a seguirem o exemplo pois está em causa a vida das pessoas.

Uma atenção especial para as pessoas mais idosas do nosso Distrito, sobretudo os mais isolados, que necessitam  de mais e melhor acompanhamento pelas autoridades politicas, Câmara Municipais e Juntas de Freguesia, forças de segurança e de Saúde os possam acompanhar neste momento difícil, incluindo no seu abastecimento de bens alimentares e medicamentos.

Também no combate à exclusão social não podemos esquecer a comunidade cigana, em particular a nómada que isoladamente e sem qualquer proteção de higiene e salubridade vive em condições desumanas sem água potável e sem condições para adquirirem os seus alimentos.

Garantir o fornecimento do pequeno-almoço, almoço e lanche nas escolas a quem necessitar, garantindo que cumprem o normal equilíbrio nutricional, atendendo a que muitos destes alunos

dependem da escola para uma alimentação de qualidade.

O Bloco de Esquerda estará permanentemente a intervir pela salvaguarda do bem estar de todas e de todos e pela sua qualidade de vida.

 O Secretariado da Comissão Coordenadora Distrital de Portalegre do Bloco de Esquerda

Fevereiro 18, 2020

PTE-004252/2019Resposta dada por Virginijus Sinkevičiusem nome da Comissão Europeia(14.2.2020)

 

 

A Comissão está ciente da situação difícil criada na bacia hidrográfica do Tejo pelas graves secas de 2019.

 

A Comissão tem igualmente conhecimento da Convenção de Albufeira entre Espanha e Portugal e do processo de planeamento conjunto que teve lugar para a preparação dos segundos planos de gestão das bacias hidrográficas. De acordo com ambos os países, apesar da seca e da irregularidade dos volumes libertados, a Convenção foi respeitada.

 

Com base na avaliação dos segundos planos de gestão das bacias hidrográficas, a Comissão formulou recomendações aos Estados-Membros com vista a melhorarem a aplicação da Diretiva-Quadro Água. No respeitante a Portugal e Espanha, uma das recomendações consistiu em continuarem a melhorar a cooperação internacional para a gestão das bacias hidrográficas transfronteiriças.

 

Janeiro 13, 2020

Hoje a deputada Fabíola Cardoso esteve em Fronteira,  numa  sessão do Parlamento dos Jovens, com a presença de elementos das estruturas locais do Bloco de Esquerda. 

Setembro 12, 2017

Já está disponível o manifesto da candidatura autárquica do Bloco de Esquerda a Portalegre.
Até dia 29 de Setembro publicaremos nesta página mais informações sobre a nossa candidatura.

Agosto 31, 2017

A imagem de campanha da candidatura autárquica do BE de Portalegre já está na rua.