Share |

Sobre: notícias

Setembro 14, 2015

Candidatos do Bloco de Esquerda respondem ao repto das Associações Ambientalistas

Os cabeças de lista do Bloco de Esquerda dos distritos de Portalegre e Castelo Branco promoveram, neste dia 14 de Setembro, uma iniciativa de alerta em relação à degradação ambiental que se verifica no Tejo, com especial ênfase na zona de Vila Velha do Ródão. Na sequência dos apelos de diversas associações que têm denunciado, de forma sistemática, a falta de empenhamento das autoridades no controlo das descargas de algumas empresas da região, o Bloco de Esquerda organizou uma visita guiada às ribeiras sujeitas à pressão da indústria.

ler mais...

Setembro 11, 2015

Manifesto Eleitoral

Este é o Manifesto Eleitoral dos candidatos a deputados do Bloco de Esquerda do Distrito de Portalegre. É diferente de outros manifestos apesar do País ser o mesmo e os problemas muito semelhantes a outras regiões. O País é o mesmo mas as políticas para o interior transformam-no em duas realidades muito distintas.

A representatividade e a capacidade da região para ser ouvida está limitada a dois deputados que são eleitos com mais de 20 mil votos. O distrito tem sido castigado pela ausência de uma verdadeira regionalização que permita ao interior ter uma presença na política nacional que integre outros factores que não e apenas o número de habitantes e o dinheiro que movimenta. Outros valores como o ambiente, a natureza, a economia local, o património ou a proximidade, têm estado ausentes (desvalorizados) em favor de formas de vida que nada têm a ver com a realidade de um mundo rural.

Maio 9, 2014

A cabeça de lista do Bloco de Esquerda (BE) às eleições europeias, Marisa Matias, criticou a ausência de investimentos no interior do país, ao comentar o Plano Estratégico de Transportes e Infraestruturas (PETI), apresentado pelo governo, para o período 2014-2020.

A bloquista, que falava em Portalegre, diz que o PETI "é um plano de um país que não tem interior, e mais grave do que isso, é muito centralista".

Maio 7, 2014

Com Catarina Martins, Marisa Matias, Helena Figueiredo, António Ricardo e Jaime Abreu. Ver cartaz.  Ponte Sor, zona ribeirinha - junto às piscinas, 21h.

Abril 28, 2014

Em nome do Bloco de Esquerda de Ponte de Sor e em meu nome pessoal enquanto deputado desta Assembleia, endereço as minhas cordiais Saudações democráticas a todos os presentes bem como a todo o povo deste concelho.

Estamos aqui para mais uma vez ser prestada a Homenagem a todas e a todos que de uma forma ou de outra, fardados ou à civil, contribuíram para a conquista das Liberdades e da Democracia.

Março 27, 2014

A Comissão Coordenadora Distrital de Portalegre do Bloco de Esquerda considera que o actual estado em que se encontra o distrito é o mais grave dos últimos 40 anos.

A grave situação económica e social colocaram o distrito de Portalegre como um dos principais exportadores de mão de obra para o estrangeiro devido ao elevado número de desempregados, 12.300, e da ausência de políticas que dinamizem a economia local e regional.

As centenas de famílias que vivem apoiadas pelas diversas instituições sociais no distrito, não conseguem ver o fim do enorme pesadelo que lhes caiu em cima.

Março 10, 2014

Foi eleita a nova Coordenadora Distrital para o biénio 2014-2015, no passado dia 9 de Março na sede distrital em Portalegre. Mantendo o mesmo espírito de renovação desde que foi constituída, a CD apresenta-se com a determinação de introduzir novas dinâmicas no distrito (v. Moção e Lista)

Março 7, 2014

No dia 9 de Março outros camaradas irão assumir as responsabilidades da C.D. e dar continuidade ao trabalho do BE neste distrito. Estou consciente das suas capacidades e darei o meu apoio no que me for possível. Estarei na luta pelo desenvolvimento do BE e pela defesa das causas que defendemos. Na Concelhia de Portalegre, da qual faço parte, continuarei a trabalhar, agora com mais disponibilidade para o Concelho.

Fevereiro 8, 2024
 
PROGRAMA ELEITORAL PARA O DISTRITO DE PORTALEGRE
 
POR UM DISTRITO COM FUTURO!
 
O Distrito de Portalegre tem estado ao longo dos anos ao abandono do poder
central! É preciso mudança no interesse das populações, mudanças que
exijam mais Investimento Público, nomeadamente na Saúde, na Educação, na
Mobilidade, no Apoio Social.
As populações do Distrito de Portalegre têm ao longo das últimas décadas sofrido
de todos os males de que o interior do País sofre: ausência de desenvolvimento
económico e social refletindo-se na perda de população, encerramento de serviços
públicos, dificuldade de movimentação devido à deterioração dos transportes
terrestres e ferroviários.
Apesar das várias promessas poucas vezes são cumpridas, expressando assim a
falta de capacidade e de compromisso com os cidadãos o que na prática representa
abandono por parte dos governos.
As duas principais forças políticas que têm governado em Portugal e que no Distrito
tem dividido entre si a eleição dos dois deputados que por Portalegre têm sido
eleitos, são os principais responsáveis pelo estado a que se chegou. Nos períodos
eleitorais as promessas sucedem-se e repetem-se, mas os resultados no final de
cada Legislatura são sempre os mesmos, isto é: contínuo abandono. É preciso
mudança no interesse das populações, mudanças que exijam mais Investimento
Público, nomeadamente na Saúde, na Educação, na Mobilidade, no Apoio Social.
O isolamento a que estão sujeitos os idosos no nosso Distrito conjugados com o
estado a que chegaram os serviços de Saúde, começando pelos Hospitais de
Portalegre e de Elvas, passando pelos diversos Centros de Saúde do Distrito, com a
falta de pessoal médico, enfermagem e outros serviços e pelo encerramento de
especialidades nos dois hospitais. Utentes sem médicos de família, demora nas
consultas de especialidades, Centros de Saúde com falta de pessoal e em alguns
casos sem condições de atendimento e de prestações dos cuidados de Saúde são
demonstrativos da forma como somos tratados: o abono e a falta de financiamento
que o Governo tem praticado em relação ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).
Ausência de uma rede de transportes públicos que possa dar resposta às
necessidades de ligação em cada concelho e entre concelhos provoca que as
pessoas vivam completamente isoladas. A população vê-se na contingência de se
socorrer em caso de necessidade de serviços com os custos agravados apesar das
suas dificuldades económicas.
Torna-se assim premente eleger deputados do Bloco de Esquerda para na
Assembleia da República reivindicarem e defenderem os interesses das populações
do nosso Distrito! Capaz de provocar mudança na orientação politica e que se
traduza em melhorias na vida das pessoas.
 
 
 
Janeiro 27, 2024

 

CABEÇA DE LISTA -

- Rui Jorge de Sousa
-  41 anos de idade
- Frequentou a FCUL no curso de matemática aplicada
- Empresário em restauração desde 2004
- Coordenador da Concelhia do BE de Ponte de Sor, membro da Comissão Coordenadora Distrital e do seu secretariado.
- Deputado na Assembleia Municipal de Ponte de Sor.

 

 

 2º CANDIDATO
- Beatriz Carloto Silva - Independente
-  18 anos de idade
- Ex-Presidente da Associação de Estudantes do Agrupamento de Escolas de Ponte de Sor (2022-2023)
- Representante do BE na Assembleia Municipal da Juventude de Ponte de Sor
- Estudante em conservação e restauro na faculdade de ciências e tecnologias da UNIVERSIDADE NOVA

3º CANDIDATO
– Fernando Manuel Favita Pereira
- 50 anos de idade
- Operadores de máquinas
- Comissão Concelhia de Campo Maior

4º CANDIDATO
– Daniela Sande Lopes
- 21 anos de idade
- Desempregada operadora de Call Center
- Comissão Coordenadora Distrital e da Comissão Concelhia de Campo Maior

MANDATÁRIO
- José Luís Monteiro
- Com a idade de 65 anos
- Reformado

 

 

Janeiro 19, 2022

À ESQUERDA PELO DISTRITO!

 

 

As populações do Distrito de Portalegre ao longo das últimas décadas tem vindo a sofrer de todos os males que todo o interior do País tem sentido: ausência de desenvolvimento económico e social, perda de população, encerramento de serviços públicos, abandono por parte dos sucessivos governos, dificuldade de movimentação devido deterioração dos transportes terrestres e ferroviários. Tudo isto agravado pela situação pandémica que se tem vivido nos últimos anos.

Dezembro 20, 2021
 
 
 
Cecília Maria Mateus Lopes Carrilho - 34 anos, empregada de balcão - Ponte de
Sor.

 

 

Maio 24, 2021

- Intervenção de António Ricardo, membro da CCD de Portalegre

 

A Regionalização é um imperativo nacional e não só das regiões do interior!

A promoção do desenvolvimento económico e social das regiões de forma sustentada no ordenamento do território, ambiente, conservação da natureza e recursos hídricos, equipamentos sociais e vias de comunicação, educação e formação profissional, cultura, património histórico, etc.

O aprofundamento da democracia participativa, da governação democrática e a aproximação dos centros de decisão às populações.

É necessário primeiro definir o modelo: Regiões Políticas e Administrativas ou Regiões apenas administrativas que apenas serão órgãos de mais burocracia ao serviço do poder centralizado.